Lançado no dia 19 de março, o 2º Mapa de Negócios de Impacto Social + Ambiental, promovido pela Pipe.Social, conta com análises quantitativas e qualitativas que desvelam desafios, percepções e tendências do setor. De acordo com o estudo, dinheiro permanece sendo a principal demanda do setor, mas não só. Mentoria, comunicação e parcerias e networkingaparecem como segunda, terceira e quarta maiores necessidades dos empreendedores de impacto no Brasil.

A pesquisa reflete um significativo aumento e fortalecimento da base. Foram 579 negócios na primeira edição, em 2017, contra 1.002 na atual distribuídos entre as áreas de Educação, Saúde, Serviços Financeiros, Cidadania, Cidades e Tecnologias Verdes. Foram considerados negócios com sustentabilidade financeira, ou seja, que não dependem ou dependem de subsídio para cobrir até 50% de sua despesa operacional. 76% dessa base é de negócios formalizados e 62% são negócios com mais de dois anos de existência.

O mapeamento oferece dados atuais sobre o ecossistema de negócios de impacto, o perfil do empreendedor e os recursos disponíveis e aprofunda os resultados a partir de entrevistas com empreendedores, além de análises dos principais especialistas em startups e negócios de impacto socioambiental do Brasil e do mundo. O estudo contou ainda com diversos atores do ecossistema para construir uma visão de futuro para o setor a partir da projeção das principais tendências e buscou inspirações e boas práticas que pudessem ser compartilhadas entre os empreendedores.